Pedro Bastos Rezende faz a dobradinha em Barcelona na última volta


Espiritu de Montjuic

Iberian Historic Endurance

Corrida 2


· Segundo dia de Espiritu de Montjuic com uma corrida de cortar a respiração

· Tempo inconstante não afasta o muito público do Espíritu de Montjuïc

· Pedro Bastos Rezende faz a dobradinha em Barcelona na última volta

O segundo dia do Espiritu de Montjuic foi presenteado com um bonito céu azul, com o sol a brilhar. No entanto, com o aproximar da segunda corrida do Iberian Historic Endurance a chuva apareceu, o que fazia prever uma corrida emocionante e com muitas histórias para contar.

Com uma corrida já nos livros de história, os pilotos do Historic Endurance preparavam-se para a corrida final do fim de semana. Bastos Rezende, em Porsche 911 3.0 RS saía da Pole Position depois de ter conquistado a vitória no dia de Sábado. Bastos Rezende era acompanhado na primeira linha da grelha por Eduardo Davila, em carro igual.

Momentos antes da corrida iniciar, uma forte chuva caiu sobre o traçado catalão o que obrigou o diretor de corrida a tomar a decisão de iniciar a corrida atrás do safety car, de modo que os pilotos conseguissem ver o estado da pista antes de a encararem a toda a velocidade.

Após uma volta atrás do carro de segurança, à ordem do Diretor de Corrida a corrida começou a tomar o seu ritmo normal. Bastos Rezende e Eduardo Davila seguiam em primeiro e segundo respetivamente com Jordi Puig e Florent Cazalot, em Lotus 7, seguiam próximos da dupla da frente. Deste quarteto, quem mostrava o ritmo mais rápido era o ágil Lotus 7 francês que rapidamente passou o Ford GT40 de Puig e colou-se à traseira do Porsche 911 3.0 RS de Davila. Contudo o piloto espanhol era apanhado desprevenido com uma zona mais escorregadia e não evitou um erro que permitiu a Cazalot adiantar-se. Numa missão de tomar a liderança por assalto, o piloto francês imprimiu um forte ritmo e superou o ainda em adaptação ao piso molhado, piloto português Pedro Bastos Rezende.

Assim, Cazalot e o seu Lotus 7, lideravam pela primeira vez em 2022 a categoria H-GTP & Sportscars e o pelotão de 30 carros presentes nesta segunda corrida em Barcelona.

Uma espetacular luta desenrolava-se entre os Porsche 911 SWB da categoria Gentleman Driver Spirit, Nuno Nunes, Carlos Beltran e Vincent Tourneur durante um par de voltas trocaram de posição variadas vezes entre si, mostrando ao público presente nas bancadas do circuito que os carros mais “pequenos” também davam muito espetáculo.

Com o abrir da janela para a troca de pilotos, as classificações começaram a baralhar-se. Cazalot e Bastos Rezende entraram para a paragem obrigatória no princípio da janela e com Jordi Puig no seu GT40 a ficar em pista. Todavia, quando as trocas de piloto terminaram, Florent Cazalot e Pedro Bastos Rezende retomaram a liderança da corrida e das respetivas categorias (H-GTP&Sportscars e H-1976). Com o alvoroço das trocas de pilotos, os líderes da H71, Piero dal Maso/Jose Carvalhosa, em Porsche 911 2.5 ST perdiam vantagem para os mais directos oponentes, os BMW 2800CS de Luís Sousa Ribeiro e o Lotus Elan de Joaquim Soares que iam melhorando à medida que a pista secava. Já Paul Rayment /James Wheeler, no MG B Roadster, liderava entre os Gentleman Driver Spirit e Carlos Barbot seguia isolado na liderança dos H-1965 com o seu Lotus Elan.

Com a pista a secar e os tempos por volta a baixar, as lutas entre classes também subiram de temperatura. Na Gentleman Driver Spirit, tudo mudou num ápice, com Paul Rayment no seu MG B Roadster a partir o cabo do acelerador e a ter que abandonar. Quem aproveitou o desaire do piloto britânico foi Nuno Nunes que com o seu Porsche SWB conquistava assim a primeira vitória de 2022. A concluir o pódio ficaram outros 2 Porsche 911 SWB, com o Catalão Carlos Beltran e o Francês Vincent Torneur a superarem as dificuldades da pista.

Nos H-1965 a vitória sorriu novamente a Carlos Barbot. O piloto do Porto conquistava assim a segunda vitória da categoria neste fim de semana em Barcelona. No segundo posto, a dupla ibérica de Guillermo Velasco e Francisco Freitas que no Porsche 356SC com as cores da Gulf que superavam o Porsche 356 B de Pedro Moryion e José Carvalhosa.

Entre os H-1971, tal como na Gentleman Driver Spirit a composição do pódio mudou volta após volta. Se Piero Dal Maso / José Carvalhosa lideravam até perto do final, uma grande recuperação do BMW 2800CS Sousa Ribeiro permitiu ao Piloto do Porto conquistar a vitoria que lhe escapou na primeira corrida. Joaquim Soares ainda conseguiu ultrapassar o Porsche 2.5 S/T no final da corrida e recuperar assim o segundo lugar com um final de corrida empolgante.

A contar para os H-1976, a vitória não escapou a Pedro Bastos Rezende, fazendo a dobradinha do fim de semana. O experiente piloto protagonizou umas das batalhas mais entusiasmante da corrida. O piloto do Porsche obteve a liderança da classificação geral a duas curvas do final na última volta da corrida. Apesar da classificação não ser considerada no Historic Endurance, esta batalha pela dianteira da classificação agarrou o muito público presente até ao final da corrida.

Em segundo lugar na categoria H-1976, também em Porsche mas um Porsche 2.8 RSR, Mário Meireles. O piloto da AMA Racing cada vez mais habituado ao seu carro e aos pneus históricos passou o fim de semana em curva ascendente em termos de performance com tempos por volta cada vez mais baixos. A completar o pódio, o estreante Bruno Santos. O piloto de Samora Correia, saiu de último, mas conquistou assim o segundo pódio do fim de semana fazendo uma estreia muito competitiva na competição ibérica.

Nos H-GTP & Sporstcars a vitória foi de Jordi Puig no belíssimo Ford GT40, o piloto catalão conquistava assim a segunda vitória do fim de semana. Nesta segunda corrida Puig corria sem a companhia do seu companheiro de equipa Alberto Pecanins. No segundo posto, devido a uma penalização aplicada após o final da corrida, o francês Florent Cazalot do Lotus 7. Cazalot liderou a classificação até duas curvas do final, onde foi superado pelo Porsche 911 3.0RS de Bastos Rezende (a luta que referimos anteriormente). No entanto, Cazalot seria penalizado por não cumprir o tempo mínimo de paragem nas boxes (por um segundo!). A completar o pódio, outro Lotus 7, desta feita de uma dupla portuguesa já muito conhecida no Historic Endurance, João Mira Gomes e Nuno Afoito, que ficaram também no sétimo lugar da categoria.

Após o término da corrida foi celebrado o pódio da categoria mais importante. Falamos do Index Performance by Cuervo y Sobrinos. O vencedor desta categoria é presenteado com um magnifico relógio da marca suíça com heranças cubanas. Nesta prova, inserida no Espíritu de Montjuïc, o grande vencedor foi Carlos Barbot no Lotus Elan. No segundo posto, no elegante Alfa Romeo GTAm, Jorge Santos e Alcides Petiz e a concluir o pódio, Guillermo Velasco e Francisco Freitas em Porsche 356 SC.

Diogo Ferrão, responsável pela competição diz “Foi um começo de 2022 muito bom, um fim de semana excelente em termos desportivos e um evento com muito público, tal como tínhamos antes da pandemia. Concluímos assim a nossa primeira prova e logo no Circuito de Catalunha com uma grande festa. Agora as máquinas vão descansar e preparar a deslocação até ao tradicional circuito de Pau.”

A próxima corrida do Iberian Historic Endurance será no circuito citadino do Grand Prix de Pau Historique, nos dias 20 a 22 de Maio.