Segundo dia do Estoril Classics 2020 repleto de emoção

  • Corridas memoráveis fazem recordar anos de ouro do automobilismo

  • Transmissão Live Stream é um sucesso

Neste sábado o sol voltou a brilhar e o bom tempo a fazer-se sentir no Autódromo do Estoril, palco do Estoril Classics 2020, um evento que reúne alguns dos mais emblemáticos carros de competição clássicos da história do automobilismo e coloca em pista belíssimas viaturas que fazem parte do imaginário de muitos adeptos.

Um dia que prometia muito e que começou com uma manhã preenchida com as derradeiras sessões de qualificação do fim de semana. No Iberian Historic Endurance, Olivier Tancogne, em Ford GT40, confirmou o ritmo evidenciado ontem e foi também o mais rápido na segunda sessão de qualificação. No Heritage Touring Cup, potentes máquinas que disputaram o Europeu de Turismos até 1984, o melhor registo na qualificação foi para o Ford Capri 3100 RS Cologne de dois nomes históricos, Zak Brown, manager da Mclaren e coproprietário da United Autosports, e Dario Franchitti, quatro vezes vencedor da IndyCar Series.

Já nos Classic Endurance Racing (CER) 1, fantásticos carros de resistência dos anos 60 e 70, foi o McLaren M8C DFV, de Marc Devis/Martin O’Connell, o mais rápido na qualificação.

O dia chegou a meio com um fantástica exibição no traçado do Estoril. Um slalom com máquinas que recordaram os saudosos tempos em que o Rali de Portugal, a contar para o Campeonato do Mundo de Ralis – WRC, terminava no autódromo para gáudio de todos os adeptos na altura. Desta vez, com os fãs presentes via Live Stream, a ação em pista ficou a cargo de carros tão distintos como Ford Escort, Porsche 911, Opel Kadett e Audi Quattro que abrilhantaram esta festa do automobilismo e foram o aperitivo ideal para as primeiras corridas do fim de semana. Tudo começou com uma boa corrida dos The Greatest’s Trophy. Modelos icónicos dos anos 50 e 60 que continuam a fazer as delícias de todos nós. Uma prova em que o Lister Costin Jaguar de David Hart/Nicky Pastorelli partiu da pole-position, liderou toda a corrida e venceu. O Maserati T61 de Guillermo Fierro foi segundo, devido à penalização de 40s ao Bizzarrini 5300 GT de Dirk Ebeling e Leon Ebeling por exceder os limites da pista. A dupla acabou em terceiro. A sonoridade dos Classic GP foi uma viagem no tempo, com excelentes carros em pista. Uma corrida muito animada na luta pelas lugares cimeiros. O Hesketh 308E de Michael Lyons foi o primeiro a cortar a meta, vencendo a classe A, com o Lotus 81/1 de Steve Brooks logo atrás, piloto que assinou o triunfo na classe B. Mas a maior disputa no traçado do Estoril aconteceu na discussão do terceiro lugar da geral, que acabou por ficar na posse do Brabham BT37 de Jamie Constable, depois de uma grande luta com o Williams FW08C de Mark Hazell.


De tarde assistiu-se também à sessão de qualificação do CER 2. Grandes máquinas das corridas de resistência que colocaram toda a sua potência em pista. Yves Scemama, em TOJ SC 304, assinou o melhor tempo da sessão. E quando todos se preparavam para as últimas corridas do dia, a pista voltou a receber mais uma grande exibição, o Spirit of Speed, com motos históricas a rodarem no traçado do Estoril, dando um colorido especial a uma festa dedicada aos carros clássicos de competição. Entre elas, a Ducati MotoGP que em 2014 Andrea Iannone utilizou no mundial de motociclismo ou a Suzuki 1000 GSX-R da equipa oficial, pilotada por Tom Sykes em 2008 no Campeonato do Mundo de Superbikes. Numa corrida muito interessante, os Group C proporcionaram um bom espetáculo. O Porsche 962C de Michel Lecourt/Raymond Narac partiu na frente e chegou a ceder posição ao Spice SE92 de Michiel Campagne e Allard Kalf. Mas problemas de motor condicionaram a prestação da equipa que acabou por ser forçada a ir às boxes, com o Porsche 962C a regressar ao comando, vencendo no final. Uma grande prova de Vincent Neurrisse e Bertrand Rouchaud que partiram de sétimo e foram premiados pela consistência, com um ritmo que lhes permitiu terminar em segundo, com o seu Tiga GC288. O mesmo aconteceu com Hans-Jörg Hübner, que levou o seu Porsche 962C da oitava posição até ao terceiro posto final. A noite caiu com os The Sixties’ Endurance já em pista, na corrida de maior duração do evento, com duas horas ao cronómetro. Muito renhida desde início na discussão dos lugares cimeiros, foram várias as trocas de posição. Partindo do terceiro lugar, Pierre-Alain France e Ermin France alcançaram a vitória com o seu Shelby Cobra Daytona, com os pole-position David Hart/Nicky Pastorelli a terminarem uma empolgante corrida no segundo posto a apenas 1,19s da frente, ao volante do seu Shelby Cobra 289. O terceiro lugar ficou para Damien Kohler/Christophe Van Riet, também em Shelby Cobra 289. O Estoril Classics 2020 está de regresso amanhã. Um evento que pode continuar a acompanhar através do Live Stream disponível no Youtube Oficial da Race Ready e na página oficial de Facebook do Estoril Classics 2000. A transmissão, que muitos adeptos tiveram hoje oportunidade de acompanhar, conta com os comentários de Alistair Douglas, comentador habitual do Silverstone Classic, e do conhecedor Adelino Dinis, juntamente com as entrevistas do comentador da Sporttv Rui Belmonte. A transmissão integral de amanhã, domingo, começa às 09h00 e estende-se até às 17h25, para mais um grande dia de Estoril Classics 2020.